sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Como se tornar um líder - Parte II

 
Falamos no artigo passado sobre a postura de um líder e como ele deve se posicionar para agregar o crescimento mútuo da equipe e empresa. Entretanto existem mais detalhes que devem ser abordados para a construção de um verdadeiro líder.
Começamos com a reflexão de identificar os verdadeiros líderes. Você sabe quem são as pessoas que se colocam no papel de líderes em sua volta? As pessoas que com seu exemplo construtivo contribuem para seu crescimento?
Quando conseguimos encontrar grandes líderes, esses nos fazem querer mudar. Ficamos prontos e disponíveis para as mudanças que chegam. E essa transformação de estado de espírito e atitude se torna mais leve quando percebemos e conquistamos nossos objetivos, sejam eles individuais ou em grupo.
É importante ter em mente que mudanças reais levam certo tempo para se concretizarem e se tornarem permanentes. Essa mudança deve ser feita aos poucos para que a própria mente do ser humano absorva essa consciência da transformação.
John Wooden, treinador de basquete lendário dos EUA afirma: “Quando você melhora um pouco a cada dia, coisas grandes começam a ocorrer. Não procure por melhoras rápidas e grandiosas, busque a pequena melhoria, um dia de cada vez. É o único modo para que aconteça – e, quando acontece, dura”.
Essa mudança tem que vir de forma motivadora, e esse é um grande papel diário de um líder. Conseguir transmitir para sua equipe o seu entusiasmo e assim, transformar pessoas em verdadeiros apaixonados por seu trabalho.
Lembre-se, motivar é influenciar as pessoas para fazerem as ações e tarefas de modo inspirador.
Uma dica muito importante para aplicarmos em nosso trabalho é estar sempre apaixonado por nossos produtos e serviços. Esse sentimento será refletido para nossos clientes e colaboradores da empresa automaticamente de forma contagiante para todos.
Muitas empresas pecam em suas equipes de atendimento, justamente porque elas não são apaixonadas pelos produtos e serviços que oferecem, e tão poucos acreditam que podem trabalhar motivadas.
Um líder precisa sempre estar atento a essa situação, pois além de passar um sentimento de descrença para os clientes, pessoas desmotivadas contagiam o ambiente inteiro. E com o tempo, você terá uma equipe inteira sem vontade de mudar, de agregar ou mesmo de trabalhar. E o pior de tudo, passando essa imagem para o mercado.
Por Silvia Regina - SR Comunicação & Marketing