terça-feira, 27 de setembro de 2011

O Marketing na Prática

Muitas empresas que já perceberam a necessidade de ter um marketing ativo em sua empresa se limitam a usar apenas a parte de comunicação com os clientes, ou seja, usar a publicidade e propaganda. Mas existem outras atividades que englobam um trabalho mais integrado e que são essenciais para que se consigam os resultados projetados.
É necessário também pensar em viabilidade técnica, economia, produtos, logística e até mesmo da padronização interna da empresa, bem como a motivação e comprometimento dos colaboradores, o chamado endomarketing.
Quando se implementa um marketing estratégico é comum que outros setores da empresa se sintam ameaçados por um setor que reavalia alguns trabalhos e processos existentes. Cabe ao responsável do marketing fazer essa integração entre setores e trabalhar em conjunto para que todos comecem a fornecer informações e utilizar-las de maneira eficaz para os benefícios da organização.
Entretanto essa integração só será possível se a direção da empresa estiver participativa a essas mudanças, bem como querer que todos da organização tenham essa nova fase, ao qual trás mais trabalho e logicamente melhores rendimentos.
Uma grande confusão ainda hoje é cometida por algumas empresas quando colocam o setor de marketing dentro do departamento comercial, ao qual além de causar limitações de estratégias, cria uma competitividade de gerencias que se torna prejudicial à integração dos setores. Portanto os setores devem se comunicar continuamente e alimentar o marketing com informações ao qual  possa direcionar as estratégias e auxiliar os departamentos para seu melhor rendimento, inclusive o departamento comercial.
Conforme Sarquis (2009) “Em marketing, as decisões sobre estratégias são estabelecidas para mercados, marcas e/ou produtos e serviços específicos e devem ser elaboradas após a definição dos objetivos de mercado da organização. No contexto do marketing, as decisões estratégicas compreendem principalmente as decisões relacionadas à segmentação de mercado, seleção de mercado alvo, diferenciação competitiva, posicionamento de marca, produto, preços, distribuição, logística, comunicação e vendas da organização.”
Então podemos pensar e colocar em prática um marketing integrado em todos os processos e setores da organização para que todos entendam qual é o posicionamento da empresa e seus diferenciais no mercado.
Somente com esse entendimento por todos os envolvidos na empresa que será possível deixar claro para seus públicos alvos o que a empresa tem de especial em seus produtos e serviços.
É neste contexto que começamos a trabalhar o diferencial da empresa e onde fica claro o verdadeiro reconhecimento dos trabalhos do marketing, quando a empresa se torna referência em seu segmento.

Por Silvia Regina  |  SR Comunicação & Marketing Ltda

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Você utiliza CIM em sua Empresa?

Muito se fala de comunicação, marketing, publicidade, propaganda, relações públicas, promoções... Mas sua empresa utiliza todos esses meios para se comunicar com seus clientes? Se sua resposta foi um sim, já é bom resultado, mas se ainda não utiliza, a pergunta é quanto tempo espera ainda sobreviver no mercado?
Num mercado cada vez mais competitivo, a questão nem é debater se sua empresa utiliza algum meio específico para se comunicar com o cliente, mas se trabalha com eficácia o CIM.
Por proporcionar resultados muito mais significativos para a empresa que vamos abordar a importância em trabalhar com uma comunicação de forma integrada, ou seja, CIM (Comunicação Integrada de Marketing).
Conforme Schultz, Tannenbaum e Lauterborn (1994), “uma nova maneira de se olhar para o todo, lá onde há algum tempo víamos apenas partes distintas, tais como propaganda, relações públicas, promoções de vendas, compras, comunicação de empregados e assim por diante. É um realinhamento das comunicações a fim de observá-las do mesmo modo como o cliente vê – como um fluxo de informação proveniente de fontes indistinguíveis”.
Ou seja, falar da mesma forma padronizada e “entendível” para todos os canais da empresa, passando a mesma mensagem para funcionários, clientes, fornecedores e a sociedade como um todo. Parece simples, mas muitas empresas ainda cometem o erro de não padronizar sua comunicação, perdendo grandes oportunidades e reconhecimento dos seus trabalhos.
Uma grande ressalva é a importância de ter um marketing ativo a esses detalhes que são essenciais para o sucesso no alcance das metas estipuladas. Por exemplo, ter um site de um formato passando uma mensagem e um catálogo que passa outra mensagem, ou seja, uma comunicação que fala de varias maneiras e que não integra a mensagem como um todo. Isso faz com que a empresa tenha maior dificuldade em chegar aos seus resultados e também deixa de trabalha sua marca e seu posicionamento de mercado.
Outro exemplo bem comum são empresas que fazem campanhas e esquecem de trabalhar sua equipe interna, deixando uma falha na comunicação. Com isso, a campanha não trará o retorno esperado, pois os clientes podem ficar encantados com a campanha, comprando a idéia vendida, mas quando se depararem com uma equipe despreparada e que desconhecem a própria campanha e seus benefícios, o encantamento acabará.
Então quando falamos em CIM temos que pensar em comunicação administrativa, comunicação interna, comunicação mercadológica e comunicação institucional. Portanto, abrangendo a comunicação como um todo é possível ter mais êxito em suas ações de marketing. Com isso, faz com que fluam mais facilmente as ações propostas e melhora o reconhecimento da marca.
Nada melhor que falarmos e sermos compreendidos em nossas mensagens. O mundo empresarial esta carente de clareza em sua comunicação, pois uma mensagem correta faz toda a diferença para sua marca estar ou não no mercado, bem como conquistar clientes.

Por Silvia Regina